Facebook deixou Netflix e Spotify verem mensagens privadas 🔓

Facebook deixou Netflix e Spotify verem mensagens privadas 🔓

Categoria : Segurança Visitas: 734 Tempo de Leitura: 3 Minutos

Um novo escândalo está a afetar o Facebook: a multinacional confirmou, esta semana, ter permitido que outras empresas – nomeadamente o Spotify e a Netflix – acedessem a milhões de mensagens privadas dos utilizadores.

Em resposta à notícia avançada na terça-feira pelo New York Times, que falava sobre a forma como a rede social partilhou dados de users com parceiros ao longo dos anos, a empresa de Marck Zuckerberg disse que efetivamente lhes deu extenso acesso às mensagens.

Facebook está novamente sob fogo após novo escândalo

Supostamente, diz a gigante tecnológica, isto só aconteceu para permitir que as pessoas pudessem fazer login nessas aplicações, como o Spotify, com a sua conta do Facebook e assim enviar mensagens através dessas plataformas.

Num post no blog, a marca de Zuckerberg diz: “Os nossos parceiros tiveram acesso a mensagens? Sim. Mas as pessoas tiveram de explicitamente fazer sign in no Facebook primeiro para depois usarem a ferramenta de mensagens desses parceiros. Peguem no exemplo do Spotify. Depois de entrar na conta do Facebook através da app para desktop do Spotify, podia enviar e receber mensagens sem sair da aplicação. O nosso API permitia esse acesso às mensagens pessoais para providenciar este tipo de ferramenta”.

Citando documentos internos do Facebook, o jornal The Times afirma que a plataforma de música em streaming pôde ver as mensagens de mais de 70 milhões de utilizadores em apenas um mês. A publicação reporta ainda que o Spotify, a Netflix e o Royal Bank of Canada puderam ler, escrever e até apagar esses dados tão privados.

A Netflix diz não ter conhecimento da permissão

Tanto o Spotify como a Netflix, no entanto, disseram àquele jornal que não tinham conhecimento sobre esse tipo de permissão. O Facebook, por sua vez, garante não ter encontrado qualquer evidência de acesso abusivo.

Já ao Business Insider, a Netflix disse não ter tido acesso a nenhuma mensagem. “Ao longo dos anos, temos tentado várias fórmulas para tornar a Netflix mais social”, afirmou uma porta-voz. “Um exemplo disso mesmo é uma funcionalidade que lançamos em 2014 que permitia aos membros recomendar séries de TV e filmes aos seus amigos do Facebook, através do Messenger ou da plataforma. Como essa função não foi assim tão popular, acabamos por eliminá-la em 2015. Em nenhum momento tivemos acesso às mensagens privadas das pessoas no Facebook ou pedimos permissão para o fazer”.

Que a maior rede social do mundo tenha profundas integrações com terceiros não é necessariamente surpreendente – tal como o antigo chefe de privacidade, Alex Stamos, chegou a aludir. Isso é um sinal de um sistema saudável de interoperacionalidade.

Spotify garante nada saber sobre o novo escândalo de privacidade

“Lamento, mas permitir isto a empresas externas é o tipo de estratégia de competição que queremos ver nas plataformas dominantes”, referiu Stamos num tweet, ainda na quarta-feira. “Por exemplo, tornem o Gmail acessível apenas no sistema Android e a aplicação será horrível. É errado da parte do New York Times fazer um escândalo sobre este tipo de integração”, continuou.

Mais complicado para o público, porém, é sentir que o Facebook realmente deu tão alargado acesso aos dados dos utilizadores sem os informar devidamente – e, consequentemente, sem que eles dessem permissão expressa. Muitas pessoas tendem a assumir que as suas mensagens privadas nas redes sociais vão ser sempre privadas.

Antigos oficiais da comissão de proteção do consumidor norte-americana já vieram dizer que os acordos para a partilha de dados, recentemente revelados, provavelmente violam os regulamentos.

Para a empresa que também é detentora do Instagram, este é o último de mais um escândalo sobre a privacidade, numa altura em que ainda está a recuperar das quedas provocadas pelo caso Cambridge Analytica em março e a lutar contra as pesadas multas. Em setembro, um ataque em larga escala afetou a segurança e privacidade de pelo menos 50 milhões de utilizadores.

Tags:
web
segurança
security
websecurity
facebook
netflix
spotify

Catarina Sousa's Posts

Catarina Sousa

A former journalist on newspapers and TV, now publicist and creative mind at her own agency. Passionate about writing, creating ads and watch Law & Order. Married, mom of two adorable cats.

Gostou do nosso Blog? Subscreva já!

Não se preocupe, nós tambem não gostamos de spam! Iremos apenas enviar os nossos artigos de Blog ou notícias importantes. Poderá ler a nossa Política de Privacidade e Termos e Condições, e poderá remover a sua subscrição a qualquer momento

Comentários

Artigos Relacionados

cURL: como nos aproveitamos de trabalho não pago 💻
Categoria : Geral  Catarina Sousa PostsCatarina Sousa
cURL: como nos aproveitamos de trabalho não pago 💻

Sempre que compramos um iPhone, por exemplo, assumimos que as pessoas que escreveram o código foram...

1 mês atrás | Visitas: 589 | Leitura: 7 Minutos

Ler mais..
iPhone 11 ou iPhone XR: qual a melhor compra? 📱🤑
Categoria : Geral  Catarina Sousa PostsCatarina Sousa
iPhone 11 ou iPhone XR: qual a melhor compra? 📱🤑

Vamos assumir desde o início que o iPhone 11 Pro é um desperdício de dinheiro. Afinal, estamos a ...

2 meses atrás | Visitas: 1047 | Leitura: 12 Minutos

Ler mais..
É makeup artist? O que não pode faltar ao seu website 💄🖥️
Categoria : Web design  Catarina Sousa PostsCatarina Sousa
É makeup artist? O que não pode faltar ao seu website 💄🖥️

Depois do curso na escola de maquilhagem, do salão preparado e de todos os produtos de makeup alinh...

3 meses atrás | Visitas: 838 | Leitura: 9 Minutos

Ler mais..